sábado, 3 de julho de 2010

Ataque britânico à frota francesa em Oran



Churchill ordena o afundamento da frota francesa em Oran

3 de julho de 1940
.
trechos de algumas fontes:
.
.
“A 3 de julho, enquanto Hitler ainda esperava um sinal de conciliação, ele [Churchill] manifestou mais uma vez sua inflexibilidade, dando ordem à frota inglesa para abrir fogo contra os aliados da véspera, isto é, contra as embarcações franceses refugidas no porto de Orã. Estupefato, decepcionado, Hitler protelou sine die seu discurso ante o Reichstag, previsto para 8 de julho. Na exaltação da vitória, achara antecipadamente que os ingleses renunciaram a um combate que ele [Hitler] imaginava sem saída, ainda mais que continuava sem qualquer intenção de tocar no império deles [dos britânicos]. Mas Churchill provou claramente, multiplicando os gestos demonstrativos, que não haveria negociações.” (FEST, Joachim, “Hitler”, 1976, pp. 755/756)
.
.
“O povo está discutindo a ação de ontem dos ingleses, afundando três couraçados franceses na baía de Oran para impedir que viessem a cair em mãos dos alemães. Os franceses, que desceram a um ponto abaixo de qualquer imaginação, declaram que vão cortar as suas relações com a Grã-Bretanha. Afirmam que têm confiança na palavra de Hitler, que prometeu não lançar mão da Esquadra Francesa contra a inglaterra. Coitados! No entanto, éprovável a eclosão de uma grande irritação por toda a França. Positivamente, a Entente Cordiale está morta.” (SHIRER, W. “Diário de Berlim”, 1941, p. 136)
.
.

“Os navios de guerra franceses mais modernos, o Dunkerque, o Strasbourg, o Richelieu e o Jean Bart, estavam fora do alcance de Hitler. Os dois primeiros, os mais modernos cruzadores de batalha, juntamente com um conjunto de outros navios, encontravam-se na base naval de Mers-el-Kebir, na Argélia francesa, quase cinco quilômetros a oeste de oran. A Operação Catapulta de Churchill tinha-os como alvo. Ele também tinha outro plano, a Operação Susan, um desembarque britânico no Marrocos francês. Seus conselheiros navais e militares persuadiram-no a abandonar o plano, pois exigiria uma desnecessária dispersão de forças britânicas no momento em que a ilha natal mais precisava delas. Como de costume, Churchill se irritava com os conselhos acauteladores, mas depois cedia. (Foi melhor assim: um desembarque britânico no Marrocos, mesmo se bem-sucedido – e isso era questionável – poderia ter instigado Hitler – e Franco – a persegui-los, tendo como provável resultado a conquista de Gibraltar e o fechamento do Mediterrâneo para os britânicos.) A própria Operação Catapulta constituía de certo modo uma reminiscência da destruição cruel e inesperada, por Nelson, da frota neutra dinamarquesa em Copenhague em 1801. havia, porém, uma diferença. Nelson atacou um inimigo potencial da Grã-Bretanha. Churchill atacaria os navios de um alaido recente da Grã-Bretanha, navios e marinheiros que não tinham nenhuma propensão para se alinharem com a Alemanha.
[...]

Antes do primeiro esmaecer do sol na quente tarde mediterrânea, os britânicos abriram fogo. Durou nove minutos. O Dunkerque e outro velho navio de guerra francês encalharam na praia. Outro navio explodiu. O Strasbourg saiu do porto. Mil duzentos e cinquenta marinheiros franceses morreram. No mesmo dia, a marinha britânica usou a força para tomar alguns dos barcos franceses menores ainda em portos britânicos. Em Alexandria, no Egito, fez-se um acordo pelo qual os vasos de guerra franceses seriam imobilizados, em condições não muito diferentes das obtidas por Hitler para supervisionar e imobilizar os navios franceses nos portos europeus.

Oran não foi um completo êxito naval. O Strasbourg escapou; o Richelieu, atacado pelos britânicos alguns dias depois em Dakar, só sofreu danos parciais. Mas foi um sucesso político para Churchill em mais de uma maneira. Chegaremos a suas repercussões na Grã-Bretanha em breve. Mais importantes foram suas repercussões em todo o mundo. Era um símbolo da disposição dos britânicos para a luta, da resolução de Churchill de atacar e se defender em seu duelo com Hitler. [...]

Oran foi uma espécie de virada psicológica dos destinos. No entanto – isso tem de ser dito em seu favor -, Churchill não estava se vangloriando. “Nada é mais bem-sucedido do que o sucesso” - isso era típico da mente de Hitler, não da de Churchill. Naquela noite, ele disse a Colville que o ocorrido em Oran “para mim foi de cortar o coração”. Não foi uma reação pesarosa depois de um feito cruel. Cinco dias antes de Oran, Churchill dissera ao Gabinete de Guerra: temos de convencer o povo francês “de que estamos sendo cruéis para sermos bons”. [...]
(LUKACS, John. O Duelo Churchill X Hitler. Trad. Claudia Martinelli Gama. 2002)
.
.
fontes interessantes: WW2 / 1940
.
por Leonardo de Magalhaens
.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário